terça-feira, 16 de abril de 2019

CAMPO MOURÃO - Suspeito de matar idosa durante confraternização familiar se apresenta à polícia e diz que tiro foi acidental

Empresário confessou o crime e disse em depoimento que pegava a arma para guardá-la quando ocorreu o disparo. Homem se apresentou na delegacia na segunda-feira (15).


Espingarda foi apreendida pela Polícia Militar de Campo Mourão — Foto: PM/Divulgação

O homem suspeito de matar uma idosa em Campo Mourão, no centro-oeste do Paraná, se apresentou à polícia na segunda-feira (15). A vítima era avó da noiva do empresário. O caso ocorreu no sábado (13), em uma chácara.

Ao delegado responsável pelo caso, o homem confessou o crime e reforçou que o tiro foi acidental. A Polícia Militar (PM) informou, ainda no domingo (14), que o disparo tinha sido acidental.

No interrogatório, o suspeito informou que a família estava reunida para jantar na cozinha e quando retirou a arma de cima do forno para guardá-la, ocorreu o disparo. O tiro atingiu a nuca da professora aposentada, que tinha 71 anos.

Ela chegou a ser levada até um hospital de Campo Mourão, mas não resistiu e morreu. Na casa estavam as duas filhas, o genro e a neta da idosa - que é noiva do suspeito.

"Muitas provas ainda serão produzidas, principalmente provas testemunhais. Determinei que todas as pessoas que estavam presentes na cozinha, no jantar, sejam ouvidas. Também temos o laudo cadavérico da senhora que morreu, uma perícia na arma de fogo. Todas essas provas vão permitir que eu forme a minha convicção a respeito dos fatos. No momento, tudo indica para o homicídio culposo, sem a intenção de matar", explicou o delegado João Paulo Lauandos.

A Polícia Civil tem 30 dias para concluir o inquérito.

O empresário informou que a arma pertencia a familiares da idosa que já morreram. O delegado João Paulo Lauandos informou que se essa informação foi verdadeira, ninguém deve responder pela situação irregular da arma.

A defesa do suspeito reforçou, por meio de nota, que o disparo foi acidental, foi uma fatalidade durante um jantar em família e que o empresário não possui antecedentes criminais.

(Com informações do G1)