sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Rebelião de presos na Penitenciária Estadual de Maringá

Por Claudiney rato, às 11h10 | 04/10/2018



A rebelião teve início na manhã desta quinta-feira (4), quando detentos teriam feito pelo menos dois outros detentos de reféns e um agente carcerário. A penitenciária Estadual de Maringá (PEM) tem capacidade para 430 presos e conta hoje com 455, que é apenas 25 detentos a mais que a capacidade que foi projetada.

Policiais militares, bombeiros e agentes do SOE trabalharam desde a manhã até o final da tarde tentando controlar a situação, contando também, após as 15h, com o apoio de uma equipe de negociação da capital do estado.


A rebelião aconteceu na galeria número 7, que mantém cerca de 90 detentos. A ala foi rapidamente isolada pelas equipes de segurança.

Segundo informações, os presos rebelados atearam fogo no interior da galeria e o agente mantido como refém acabou passando mal e desmaiou ao inalar fumaça.

Ambulâncias, com equipes de saúde, foram deslocadas para a unidade.

Ainda segundo as informações da Polícia, os três reféns passam bem e as negociações com os rebelados foram suspensas durante a noite e devem recomeçar no início da manhã desta sexta-feira (5).

A alimentação e a água da galeria 7 foram suspensas até que a situação se encerre.

Os presos da galeria 7 disseram para familiares que estão insatisfeitos com a transferência para a penitenciária de presos de outras localidades, inclusive de Curitiba, integrantes de grupos rivais, o que aumenta a tensão dentro da unidade. Também estariam insatisfeitos com a chefia da carceragem e com a demora na emissão das carteirinhas para os visitantes.

Alguns detentos ainda teriam tentado escapar pelo telhado, mas foram impedidos pelos agentes do SOE.